fechar menu fechar menu

Chile depois do terremoto: dá para ir agora ou é melhor esperar ?

Nos últimos dias no blog do Ricardo Freire, ele vem falando sobre a situação atual do Chile após o terremoto de fevereiro, confira algumas de suas considerações:

SANTIAGO
O aeroporto operou de maneira precária por três semanas (a ala doméstica funcionando sob tendas), mas agora todos os embarques e desembarques voltaram a ser feitos pelo prédio principal. Fiz três voos domésticos, todos pontuais. Na cidade, tudo normal: metrô funcionando, museus abertos, bairros boêmios (Bellavista, Lastarria, avenida Nueva Costanera) com restaurantes e bares lotados. A moderna Santiago foi construída para suportar sismos, e resistiu bravamente ao megaterremoto de fevereiro.
ESQUI
Nem as estações, nem as vias de acesso sofreram danos estruturais importantes – mesmo nos arredores de Santiago. Quem aproveitar o melindre do brasileiro em ir para o Chile neste inverno deve encontrar bons preços e pistas desobstruídas.
LAGOS ANDINOS
O terremoto chegou a ser sentido em Puerto Montt e Puerto Varas, assustando moradores e turistas – mas não houve nenhuma sequela. Tudo está funcionando normalmente – com exceção dos estabelecimentos que costumam fechar na baixa temporada.
PATAGÔNIA E TERRA DO FOGO
A chamada Patagônia austral (Punta Arenas, Puerto Natales, Torres del Paine) ficou totalmente de fora do foco dos tremores. A nova temporada começa em setembro; fique de olho nas promoções.
TRAVESSIA A MENDOZA
O trecho chileno da travessia dos Andes entre Santiago e Mendoza já estava em reformas antes do terremoto. Há alguns pontos de retenção, mas nada que chegue a transtornar a viagem, que é espetacular. (Atenção: no inverno a estrada pode fechar durante várias horas por conta de excesso de neve.) A região de Mendoza, do lado argentino dos Andes, não sentiu o terremoto – nos próximos meses, é a região mais indicada para quem quer fazer enoturismo.

. . . E COMO ANDAM OS CENTROS DE SKI CHILENOS ?

Temos recebido centenas de emails com perguntas sobre a situação dos centros de ski chilenos com a questão dos terremotos …

Bueno, para alívio dos esquiadores & snowbordistas, todas as estações de neve chilenas passaram sem problema algum pelos tremores, seja na parte das suas instalações como nos teleféricos, pistas e rotas de acesso.

Assim… você pode programar a sua skiweek’2010 para os muitos centros de neve chilenos sem nenhum temor : lá seguem eles, prontos para abrir na metade de Junho – e receber toneladas de nós, os amantes da neve.

-Valle Nevado
-Portillo
-El Colorado
-Farellones
-Termas de Chillan
-Pucon

beto valle

Boas notícias do Chile!!

Galera, o Estadão publicou nesta terça-feira – em seu suplemento de turismo & aventura -
este texto na coluna “Mr Miles”, comentando sobre a situação atual do Chile após o terremoto… ótimas palavras, que deixam tranquilos os muitos esquiadores & snowboarders que esperam a chegada do mês de Junho para curtir as suas skiweeks em algum dos muitos centros de ski chilenos!

Confiram:

Boas notícias do Chile

O homem mais viajado do mundo fala sobre sua experiência no país de Gabriela Mistral e Pablo Neruda:
“Seguiram-se três dias de maratona aérea em que viajamos dos desertos do norte às geleiras patagônicas. Cabe-me, therefore, informar que, apesar da lamentável perda de vidas e dos estragos materiais em áreas próximas ao epicentro, o Chile segue tão atraente e equipado como antes.
O norte do país, inclusive a festejada região do Atacama, não sofreu um dano sequer. Na Quinta Região, onde ficam Valparaíso e Viña del Mar, alguns imóveis antigos ruíram. Mas a estrutura hoteleira permanece inabalada, os congrios seguem saborosos e até ganhei alguns pesos no cassino. Há estragos periféricos em Santiago, mas nada que afete a beleza montanhosa da cidade, onde saboreamos um surtido de ceviches no restaurante Azul Profundo, em Bellavista. Na Rota do Vinho de Colchágua, onde, I must say, exageramos na dose, só o Hotel Casa Silva e uma vinícola pequena tiveram danos, que um mutirão de limpeza resolve.
As estações de esqui sobreviveram intactas e esperam a neve e os esquiadores para a próxima temporada. Termas de Chillán, a mais próxima do epicentro, teve alguns vidros quebrados – apenas isso. Mais ao sul, nem sinal do tremor. A região dos lagos – Puerto Montt, Puerto Varas, Frutillar – segue em sua paz de embalagem de chocolate. Os cruzeiros que viajam rumo ao sul, passando pelas grandes geleiras, continuam funcionando. O mesmo ocorre com os navios que partem de Punta Arenas pelo Estreito de Magalhães. As formidáveis Torres del Paine sequer perderam um naco de neve em seu topo.In other words – e atendendo ao pedido de um velho amigo -, conclamo-os a não excluir o Chile dos planos de férias. Estará, of course, mais barato do que nunca, less crowded e igualmente interessante. Besides, as estatísticas comprovam: tremores desta grandeza levam décadas para se repetir. Don”t you agree?”

* Mr. Miles é o homem mais viajado do mundo. Esteve em 132 países e 7 territórios ultramarinos